Alagoinhas
Aracaju
Futebol
Salvador
Política
Preso em São Paulo ladrão de banco baiano Preso em São Paulo ladrão de banco baiano
A casa caiu
Preso em São Paulo ladrão de banco baiano
Publicado em 06/03/13
Reportar erro

Líder da quadrilha de ladrões de banco responsável pelos assaltos às agências bancárias de Irecê, Iraquara, Seabra, Mulungu do Morro e Barro Alto, todas no interior da Bahia, Tomás Moraes da Silva, foi preso, nesta segunda-feira (4), na cidade da São Miguel Paulista, em São Paulo, para onde havia fugido após a prisão dos comparsas há três meses.

Com prisão preventiva decretada pela Justiça baiana por roubos a bancos e casas lotéricas,Tomás deverá ser recambiado para a Bahia, nas próximas semanas, por uma equipe do Grupo Avançado de Repressão a Crimes Contra Instituições Financeiras (Garcif).

A ação que resultou na prisão do assaltante é fruto de investigações conduzidas pelo próprio Garcif com o apoio da 14ª Coordenadoria Regional de Polícia do Interior (Coorpin/Irecê) e Polícia Civil do Estado de São Paulo, que flagrou Tomás com uma pistola 9mm, de uso restrito das Forças Armadas.

O assaltante é sobrinho do ex- PM Paulo César Alves Filgueira, o “Paulo Escopeta”, preso em agosto de 2011, em operação policial na região de Irecê, onde estava escondido. “Escopeta” responde por homicídios e assaltos a bancos também.

No momento da prisão, além da pistola, Tomás portava munições para fuzil 7,62 e documentos falsos. A Polícia Civil paulista autuou Tomás em flagrante por porte ilegal de arma e munição, além da utilização de documentos falsificados. Ele agora encontra-se custodiado naquele estado, aguardando ordem para transferência.


Infomações: Policia Civil / Foto: Google Imagens



Comentários
AVISO: Os comentários exibidos acima não representam a opinião deste site, a responsabilidade é do autor da mensagem. Este espaço visa ampliar o debate sobre o assunto abordado na notícia, democrática e respeitosamente. Para utilizá-lo, você deve estar logado no Facebook. Comentários anônimos (perfis falsos ou não) ou que firam leis, princípios éticos e morais ou que promovam atividades ilícitas podem ser excluídos caso haja denúncia ou sejam detectados pelo site.